Time Lord Victorious | 9º Doutor e Rose encontram vampiros em “Monstrous Beauty #1”

“O que você aprendeu, quando sentiu o vento no seu rosto pela primeira vez?

Quando o calor do primeiro amanhecer tocou a sua pele?

O que você perdeu, quando a primeira flor murchou e o primeiro mar secou?

O que você levou consigo e o que você deixou para trás?”

– Lágrimas dos Kotturuh, do Nono Livro da Espiral Carmesim (autor desconhecido) –

Bem amigos desse fandom, chegou a hora e a vez do Nono estrear em Time Lord Victorious. Monstrous Beauty é a HQ em 3 partes da Doctor Who Magazine, estrelando Nono e Rose numa viagem de volta aos Tempos Sombrios. O argumento é de James Goss, roteiro de Scott Gray, arte (maravilhosa) de John Ross, cores de James Offredi e letras de Roger Langridge.

Pobre Rose… só queria ir visitar o primeiro carnaval no Rio de Janeiro e acabou num lugar desolado, com o Doutor reclamando que não é ele que se perde, mas sim a Tardis…

Mas há algo de estranho no ar, porque o Nono está literalmente tremendo e pede pra ir embora – eles estão a cinquenta metros da Tardis. Rose diz que refere ficar mais um pouco, já que o lugar é diferente, como se não tivesse sido terminado, com poucas estrelas no céu.

No quadro seguinte temos uma nave na órbita desse planeta, detectando a presença do Doutor e de Rose, e desce para investigar. Falando em investigação, Nono e Rose descobrem que o planeta possui uma mina, completamente silenciosa graças a abafadores sônicos, para não atrair atenção. Dá nem tempo do Doutor terminar o raciocínio, pois a dupla é teleportada para dentro da nave e recepcionada pela comandante.

O Doutor tenta dar um migué com o papel psíquico, mas a comandante só vê um papel em branco, que fica muito poota e diz que se ele continuar com brincadeira vai tomar um tiro de staser – e a ficha do Doutor cai e ele se apresenta apenas como um viajante. A comandante leva os dois até um laboratório e pede ao Medicus Androkan que faça uma análise do sangue; o médico fica meio contrariado, dizendo que eles podem contrair alguma doença e poluir a santidade genética deles…

Análise feita, o Androkan atesta que os dois têm origem alienígena, e que são de espécies diferentes. Rose quer contar a verdade, mas o Doutor fala que não. Androkan fica fascinado com a genética do Doutor e pede mais explicações, e quando ele se recusa toma um tabefe da comandante. O cientista se revolta com a violência e discute com a comandante, que passa a ameaçar Rose.

Nesse momento as sirenes começam a soar, informando uma invasão, e a comandante é chamada: os sonares captaram um eco grande, e ela pergunta se grande o suficiente para ser uma Nave-Caixão.

Ah sim, esqueci de um detalhe: nessa hora nós finalmente ficamos sabendo o nome da comandante. RASSILON. (Nessa hora eu já tava WTF?!?!?! – e ainda não estamos nem no meio da coisa toda). A comandante pede para que Gallifrey seja avisada e deixa um soldado tomando conta do Doutor e de Rose.

O Doutor se solta das algemas com a ajuda da sonic, dá um murro no soldado e liberta Rose. Androkan aparece e o Doutor explica que não é parte do ataque; o cientista acredita. Nosso Team Tardis foge o mais rápido que pode e finalmente ele explica que não pode estar ali porque aquela é a história dele, mas que aquele ainda não é o povo dele, porque aqueles gallifreyanos ainda não são Senhores do Tempo.

Ele acrescenta que ali são os Tempos Sombrios e que eles não deveriam estar ali de jeito e maneira, a Tardis não deveria ter a habilidade de pousar ali, e que todo o conhecimento dele dessa época vem de contos de fada – e que todos eles são absolutamente horríveis.

Rose pergunta quem os está atacando e o Doutor explica que são cucurbites, “naves espaciais vivas, movidas a sangue. Eles podem se agregar aos milhões! Eles podem beber espécies inteiras, mundos completos, até secar”. Menina Rose é menina esperta e faz logo a ligação:

“- Quer dizer… tipo vampiros?

Eu quero dizer exatamente como vampiros. E eles não são os únicos.

Espera aí, vampiros não são reais!

Aqui eles são. Os Tempos Sombrios criaram horrores que deixaram ecos pelo resto da eternidade!”

Deu nem tempo de Rose se acostumar com a ideia de vampiros. Um morcego gigante a sequestra. Enquanto isso, o Doutor resgata uma nave de apoio gallifreyana que foi abatida. Ele se lembra das histórias, de que os cucurbites navegam via som, e com a ajuda da sonic ele transforma o motor da nave num mega amplificador e derruba as naves.

O Doutor retorna ao laboratório procurando por Androkan e pedindo que o velho cientista o ajude a recuperar a Tardis e Rose. Androkan explica que é ele quem precisa da ajuda do Doutor, para saber mais sobre os seus padrões genéticos.

– Então é assim que os médicos por aqui agem? Você só vai salvar uma vida se tiver algo em troca?

Você não ouse me julgar! Eu andei sobre montanhas feitas do meu povo, todos eles parados, perdidos para sempre. É obsceno! Qualquer chance que eu tenha de mudar isso, eu a usaria, não importa a que custo!

Me… me desculpe. Essa guerra com a Aliança Vampírica… ela está cobrando um preço. Nossa exposição ao Derradeiro… isso nos mudou enquanto povo.

O Derradeiro?

Talvez você use outro nome. É um conceito novo para nós; um que nós ainda lutamos para entender. Eu falo do Final, do Vazio… alguns o chamam de Morte.”

O Doutor diz que não pode consertar isso, mas que se Androkan o ajudar a salvar Rose eles poderão salvar outros também.

Corta pra Rose no cenário de Drácula do Bela Lugosi. Ela conhece o Frei Grystock, que poderia muito bem ter saído de um dos filmes da Hammer. Ele pergunta de onde ela é, e ela diz que é humana – ele fica cheirando a Rose como eu cheiro fruta na feira (e a gente sabe que nada de bom sai de cenas como essa). Grystock chama uma empregada e pede que ela vista Rose com algo branco – que é aquela espécie de toga branca que vemos nas artes promocionais de Time Lord Victorious.

De volta para o Doutor e Androkan, que vão tentar roubar uma das naves de combate da comandante Rassilon, mas ela já está lá dentro – e explica muito possessa da vida que instalou um alarme no laboratório para monitorar Androkan para o dia em que ele se rebelasse. O Doutor explica que só está tentando salvar Rose, e a comandante responde que está “tentando salvar a minha raça de aliens imundos como você” (ah, Rassilon, se você soubesse a verdade…). A Tardis está dentro da nave, e ela pergunta o que é aquilo.

Retomamos para Rose no castelo de Drácula, e para o melhor quadro da história. Rose pergunta para onde está sendo levada e Grystock responde que eles vão jantar com As Três Irmãs Loucas. Grystock explica que “a loucura delas é um dom… um estado divino que eleva suas mentes a um plano superior. Suas almas dançam com os Deuses do Caos”.

As Três Irmãs Loucas são três figuras fantasmagóricas que parecem personagens da Haunted Mansion, a atração dos parques da Disney. Elas se empolgam com a presença de Rose e se preparam para jantar – e o prato principal é a nossa companion predileta…

Fim de HQ. Ou melhor, fim dessa primeira parte.

Uau. Eu simplesmente não esperava uma história como essa – pra ser bem sincera, eu não sabia bem o que esperar, já que as informações eram super escassas. O que eu sabia era que o Nono e Rose iam parar nos Tempos Sombrios.

São tantas perguntas: a Comandante Rassilon e o Lord Presidente criador dos Senhores do Tempo Rassilon são a mesma pessoa? Ou a comandante é um ancestral dele?

Ficamos sabendo que os gallifreyanos ainda não são TimeLords, já que a Sociedade dos Senhores do Tempo só vai surgir lá na frente – e os estudos da Tecteum com a Timeless Child e regeneração são um dos pilares que formam a base dessa Sociedade. E a gente também fica sabendo que os gallifreyanos desconhecem o conceito de morte – os Kotturuh, pelo jeito, ainda não passaram por lá nessa altura da história. Seria a visita dos Kotturuh e o dom da mortalidade o estopim para a busca de um modo de driblar a morte?

E outra: se os Tempos Sombrios eram temporalmente trancados, qual o tamanho da cagada que o Décimo fez que permitiu que se viajasse de volta àquela época? E até onde a presença de uma das versões do Doutor lá, trombando com seu povo quando não devia, afeta o curso da história de Gallifrey?

Cada parte de Time Lord Victorious só aumenta a quantidade de perguntas que eu faço. E eu estou adorando!

A próxima parte de Monstrous Beauty vem na edição de outubro da Doctor Who Magazine. E a próxima parte de Time Lord Victorious está prometida para a newsletter da BBC do dia 23 – mas nada impede que tenha uma newsletter nesse meio.

Nos acompanhe, e às outras fan acc de Doctor Who no Brasil, na cobertura de Time Lord Victorious. E até a próxima!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s