Time Lord Victorious | The Last Message (Libera os bonequinhos pro Brasil, Hero Collector!) *UPDATED*

Não é o post que eu queria, mas é o que temos pro momento. É o post que queríamos sim, amigos!

A essa altura você já sabe que Hero Collector está lançando 4 packs de bonequinhos de TLV. Infelizmente eles não entregam no Brasil (só na Europa)… junto com os bonequinhos vem uma revista com entrevistas, bastidores e um conto.

Hoje, dia 21, a BBC liberou um pedaço do conto que vem nesse primeiro pack e eu estou aqui com a tradução para você. Mas eu prometo que, assim que eu colocar as minhas patinhas em uma cópia desse conto inteiro, eu volto aqui pra fazer a review.

*EU VOLTEI! Obrigada à seguimora que deu o caminho das pedras nos comentários. Segue o conto completo, traduzido.

“‘Eu… sou… o… último…

Essas quatro palavras ecoaram pela Câmara do Imperador, que ficava no coração da Cidade Dalek em Skaro. O Imperador, seguro em sua armadura dourada, olhou para o sinal flutuando contra uma parede de metal lisa. O Imperador Dalek normalmente não ouvia os Drones, quanto mais lhes devotava tanta atenção, mas essa mensagem havia viajado por milênios, através do espaço e do tempo até chegar a Skaro.

O Drone Dalek destruído, carcaça arruinada, luzes falhando, quase fundido à rocha, ainda falava: ‘Eu sobreviverei… eu me consertarei…’

Sensato, pensou o Imperador. Para isso que Drones obedientes eram programados a fazer. Essa era a sua função. Eles seguiam em frente. Eles obedeciam.

‘Eu ficarei mais forte’, o Imperador ouviu, a voz chiada do Drone calma porém determinada. ‘Não importa quanto tempo leve’.

O Imperador deu uma olhada no arquivo de dados, acessando a idade da mensagem, rapidamente calculando por quantos milhares de anos aquele Drone se agarrou à rocha até conseguir enviar aquele sinal fraco. Em uma fração de segundos o Imperador comparou os sinais vitais desse Drone com os de milhares de outros Daleks em circunstâncias similares, e esse teste não intencional do poder de resistência do Dalek, ainda que breve, fez com que o Imperador ficasse impressionado. O Imperador imaginou que a criatura deveria ter morrido talvez uns três mil anos antes de enviar a mensagem.

‘Ainda há tempo…’

A voz do Drone se tornou desesperada, suplicante. O Imperador não se importou com essa mudança no tom, e considerou se alguma outra civilização teria ou não interceptado a transmissão em sua longa jornada até Skaro, e o que eles teriam feito com ela.

‘Eu devo avisar o universo…’ continuou o Drone com o mesmo tom lastimável.

As luzes brilharam em um painel próximo. O Imperador olhou para baixo. No repositório onde estava o computador central, a transmissão era rapidamente rotulada e analisada com a profundidade que apenas a tecnologia Dalek poderia apresentar.

Pesquisadores encontraram uma equivalência com o registro do Drone. Os dados passaram em uma tela no painel colocado em frente o Imperador. Ele pausou a gravação para poder analisá-la por completo.

Interessante.

“Interessante” não é uma palavra Dalek, e o Imperador se permitia esses luxos ocasionalmente. Era quase gratificante. Não era uma fraqueza – Daleks não têm fraquezas – mas às vezes uma palavra estranha ao vocabulário básico era necessária, e apenas o Imperador de todos os Daleks tinha a liberdade de acessar tais palavras.

Interessante.

Se fosse permitido, o Imperador também teria usado “surpreendente”, mas mesmo o Imperador Dalek precisava colocar limites. “Interessante” deveria bastar.

O Drone, com seu coaxar pausado na tela, tinha milênios, sua superfície avariada por destroços e atingida por vários sóis. Ainda assim ele persistiu. Uma façanha magnífica para qualquer unidade Dalek. Ele deveria estar morto há muito.

Mas aquele mesmo Dalek Drone estava atualmente em operação em Skaro.

O Imperador acessou o arquivo. O Drone estava alocado em uma nave temporal, parte de uma tripulação de cem Daleks. Uma porcentagem insignificante do Esquadrão Dalek do Tempo. Em algum ponto o Dalek viajaria ao passado. A missão, qualquer que seja ela, terá sido um fracasso, mas até mesmo com os fracassos um Dalek pode aprender bastante. E o Imperador pode aprender mais do que um mero Drone.

Ele investigou a imagem congelada do Drone e descobriu muito. Por algum tempo o Imperador se tornou incrivelmente consciente das instabilidades do universo – pequenas, leves inconsistências, uma sensação de tempo sendo reescrito. Os Daleks se auto-fizeram temporalmente sensitivos. Era uma questão de – ele acessou outra palavra necessária – “orgulho” do Imperador.

Ainda que não dominassem a viagem no tempo – as máquinas e corredores do tempo Dalek ainda eram relativamente rudimentares se comparadas com a tecnologia dos Senhores do Tempo – nesse campo particular da ciência o Imperador possuía Daleks Cientistas trabalhando dia e noite, por décadas. Há muito ele desconfiava que aqueles gallifreyanos insuportáveis haviam alterado a história dos Daleks, e agora ele se perguntava novamente se aquelas irregularidades que ele havia notado tinham a ver com os Senhores do Tempo…

Drones não exímios conhecedores em política ou física temporal. Mas talvez o Drone tenha aprendido alguma coisa? Talvez uma pequena parte dessa mensagem pudesse incriminar os Senhores do Tempo de algum modo?

O Imperador deixou a mensagem chegar ao seu final: ‘Eu devo avisar o universo’, grassou o Dalek, ‘sobre o Doutor’.

Interessante, pensou o Imperador, se permitindo aquela palavra novamente. Muito interessante.

O Imperador mergulhou ainda mais nos sistemas de Skaro. Sua capacidade cerebral aumentada foi além nos bancos de dados até que sua carapaça dourada flutuasse em estática. Planos e esquemas varreram as paredes de metal da câmara enquanto o Imperador calculava alterações e uma miríade de possíveis ações. Ele normalmente chamaria o Dalek Estrategista para aconselhá-lo mas, por razões que ele não podia revelar, decidiu não fazê-lo. No momento, o Imperador queria construir sozinho o futuro do Império Dalek.

Alguns dados estavam faltando. A transmissão do Drone não incluía informações exatas sobre a era em que havia sido transmitida. Nem informava precisamente qual Doutor estava envolvido. Mas havia informações suficientes, dados suficientes para que o Imperador se comprometesse completamente a um novo curso de ação para a raça Dalek.

A própria história estava sob ataque, o Imperor calculou, o Império Dalek não estava imune. O Imperador sabia que eram necessárias mais informações, e elas somente poderiam ser encontradas em um lugar como o Arquivo de Islos. De lá, os Daleks poderiam descobrir qual Doutor estava envolvido.

O Impearador saiu da câmara, se dirigindo à frota de naves já em preparação. Enquanto passava, seu olho perscrutava a imagem do Dalek fundido no asteroide. Esse Drone havia mudado o curso da história dos Daleks. Por um instante o Imperador considerou resgatar os restos do Drone. Mas não, ele já havia descoberto tudo o que precisava.

Afinal, era apenas um Drone.”

Teoricamente esse é o último lançamento de outubro de TLV. Mas ainda temos duas quintas-feiras sobrando no mês; logo, duas newsletters. Se sair coisa nova, pode passar por aqui para se informar. E se não sair, pode passar também – sempre rola uma review de universo expandido para você conhecer mais sobre essa maravilha que nós tanto exaltamos.

Até a próxima!

Um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s