Stranded v.1 | Aquele em que o Doutor é obrigado a ficar na Terra em 2020 sem poder viajar.

“A Tardis se foi. Preso em um único tempo e lugar, o Doutor, Liv e Helen buscam refúgio na Baker Street. Mas a casa mudou: eles agora têm vizinhos – e nem todos eles acolhedores. E alguém tem um terrível aviso sobre o futuro.”

Quando saiu a notícia de que a nova série do Oitavo para a Big Finish mostraria o Doutor preso em Londres, em 2020, sem poder viajar, eu pensei “nossa, que ideia legal!”. Isso foi no começo de 2019. Mal imaginaria eu que, tal qual a ficção, nós também estaríamos presos em casa em 2020 – a única diferença é que, em Stranded, o mundo não passou por uma pandemia.

Pra quem não está acostumado com o Oitavo na Big Finish, uma explicação: com o fim da Eighth Doctor Adventures e tendo a Monthly Range focado apenas em 5th, 6th e 7th, o Oitavo Doutor ganhou especiais. Primeiro, com a trilogia Dark Eyes, Doom Coalition e Ravenous (que eu recomendo avidamente); depois, com Time War. E, agora, com Stranded.

Aqui, ele está acompanhado de Liv Chenka (Nicola Walker) e Helen Sinclair (Hattie Moran). “Nossa, mas eu não sei quem elas são, eu vou me perder…” – calma, Pequeno Gafanhoto, a tia ajuda você com um resumo rápido:

  • Liv Chenka é uma companion do futuro. Ela é uma MedTech do planeta Kaldor (uma colônia humana), que conhece primeiro o Sétimo Doutor, num áudio chamado Robophobia, e depois reencontra com ele, já na versão Oitavo, viajando com uma outra companion, chamada Molly O’Sullivan, no arco de Dark Eyes.
  • Helen Siclair é uma companion do passado, mais especificamente dos anos 1960. Ela trabalhava no Departamento de Linguística do Museu Nacional em Londres até que acaba trombando com o Doutor e Liv quando eles tentavam descobrir o mistério da Mulher de Vermelho, em Doom Coalition v.1.

Essa mistura de uma companion de um passado que, apesar de não tão distante, mostra o quanto o mundo mudou em 60 anos; de uma companion de um futuro – e de um planeta – distante, que só esteve na Terra a passeio e, ainda assim, em épocas completamente distintas do século XXI; e do Doutor que, bem, nem precisa de explicação do quanto ele não se liga nas coisas, são uma receita pro sucesso de Stranded v.1 (pra mim, top 3 melhores lançamentos de 2020 na Big Finish, junto com Out of Time e The Sixth Doctor and Peri).

Com o extra de que, nessa série, nós temos a ilustre e brilhante presença do Curador (Tom Baker).

“Mas eu não ouvi as séries anteriores, será que eu vou entender alguma coisa?”. Vai sim. Apesar do motivo do Doutor estar na Terra ser os acontecimentos de Ravenous, Stranded é uma série completamente nova, um novo ponto de partida para os ouvintes.

Bora pra review? Esse box é formado por quatro áudios e foi lançado em junho de 2020.

1.1. Lost Property (Matt Fitton)

“Procurando um jeito de voltar a viajar, o Doutor pede alguns favores. Enquanto os residentes vão se acostumando com os recém-chegados, algo mais se encontra na Baker Street, trazendo suspeitas. Helen conhece um homem com um rosto familiar – e um terrível aviso.

É o episódio de apresentação de Stranded, e que vai trazer todos os personagens dessa história – que são, basicamente, os moradores da Baker Street, 107 – Tania Bell, as irmãs Aisha e Zakia Akhtar, a família Bright-Thompson (o filho é feito por Joel James Davison, mais um membro da família no universo de Doctor Who) e o casal Ron e Tony. Pra quem não sabe, o Doutor tem uma casa na Baker Street (aquela mesma do Sherlock Holmes) que serve de ponto de encontro durante as aventuras em Dark Eyes e Doom Coalition.

Quando, no fim de Ravenous, a Tardis pifa, como último recurso a nave leva o Doutor, Liv e Helen de volta para Londres, em pleno 2020, o mais próximo que ela consegue da casa da Baker Street. Ao buscar refúgio na sua casa, o Doutor descobre que ela foi reformada e transformada em um prédio de apartamentos por Thomas Brewster, que foi um companion de áudios do 5th e do 6th Doutores.

Basicamente, os 3 precisam aprender a se virar presos na Terra, numa época que nenhum deles está acostumado: para Helen, é tudo moderno; para Liv, tudo diferente. E para o Doutor… bem, ele simplesmente não se conforma de não poder viajar e começa a procurar por alguns contatos que possam ajudá-lo a apressar a recuperação da Tardis.

Falando na bichinha, ela está estacionada em uma esquina em Candem Town. Helen e Liv passam por lá de vez em quando para dar uma olhada se está tudo bem. Um dia, seis semanas depois deles chegarem em Londres, Helen encontra um senhor apreciando a nave. Eles começam a conversar, e ele se apresenta como o Curador de uma pequena coleção.

E vamos conversar sobre Tom Baker como o Curador, na primeira aparição do personagem desde o Especial de 50 Anos: ao mesmo tempo que você sabe que ele é o Doutor, ele é um personagem completamente diferente e que funciona nesse nessa série quase como um Mestre dos Magos, ajudando sua versão passada na medida do possível.

Rola um mistério, que vai ser resolvido mais pra frente, mas não é o principal aqui.

1.2. Wild Animals (John Dorney)

“Após semanas morando em Londres, alguns membros da Tardis estão achando mais fácil de se ajustar do que outros. Liv encontrou uma nova amizade, mas Helen está preocupada com o Doutor. E quando um crime trágico acontece, o Senhor do Tempo precisa aprender os limites dos seus poderes.”

Pra mim, a melhor história desse box.

Liv arranja emprego em um mercado próximo à casa – afinal, alguém tem que colocar comida na mesa. Já Helen tenta colocar anos de papelada da casa da Baker Street em ordem. Enquanto isso, o Doutor passa seus dias vagando pelo parque, tentando ser útil em alguma coisa.

Mas um assalto muda tudo: Liv leva um tiro e vai parar no hospital, enquanto o dono do mercado morre. É o que basta para que o Oitavo pire de vez.

O que importa nesse áudio é que meu nenei Liv Chenka (eu sou fã de carteirinha dela) e a vizinha Tania Bell finalmente se entendem, numa cena ao mesmo tempo simples e poderosa – Tania é uma mulher trans (assim como a atriz que a faz, Rebeca Root) e ao longo das últimas duas horas a gente ouviu ela se afeiçoando à Liv. Quando ela convida Liv para um encontro, você percebe o medo da rejeição na voz dela e o alívio quando Liv diz que não se importa dela ser trans. Lindo e romântico.

Menção honrosa pra uma cena em que Tania pergunta para Liv se ela, Helen e o Doutor são um trisal – “nós já teríamos matado ele”, provando que nem todo relacionamento Doutor/companion tem que ter romance envolvido ou companion apaixonada pra funcionar. Aliás, a gente tá acostumado com o relacionamento de amizade padrão 10th/Donna, mas o trio Tardis aqui vai um passo além – eles são realmente família.

1.3. Must-See TV (Lisa McMullin)

“Há novos moradores na Baker Street: o sargento Andy Davidson e o prestimoso Sr. Bird. O Doutor não está feliz de ter alguém mais útil do que ele no prédio. Quando as TVs dos residentes começam a dar defeito, ele suspeita de algo errado. Alguém está observando…”

Confesso que eu fui uma tapada quando não percebi quando vi o sargento Andy na imagem, porque o sargento é um personagem recorrente em Torchwood. E não só ele é da organização, como também uma outra moradora da Baker Street, o que faz a gente esperar que, em algum ponto dos 4 volumes de Stranded, a gente tenha um grande encontrão DW/Torchwood/UNIT, com a presença dos seus membros mais ilustres.

O episódio se passa praticamente dentro do prédio, com as TVs dos moradores dando problema e sendo “possuídas”, numa espécie de Big Brother alienígena. Pra quem passou 2020 inteiro dentro de casa assistindo televisão, poucas coisas tem mais aquele sentimento de “poderia ser eu ali” do que este episódio.

1.4. Divine Interventions (David K. Barnes)

“À medida que o Doutor se desespera, Helen e Liv o aconselham a aceitar a situação. Liv finalmente tem um encontro – mas ela consegue mais do que pediu quando todo o prédio se junta a elas. E quando uma ameaça do futuro finalmente chega, o Doutor se vê em perigo real. É hora da verdade vir à tona”

Precisando de dinheiro para bancar as contas do prédio – afinal, agora ele tem uma hipoteca pra pagar – o Doutor decide participar de um quiz show do tipo Show do Milhão. E ganha. É o que basta para unir os vizinhos – mas duas querem se unir mais, e não conseguem.

Liv e Tania só querem um encontro para se conhecerem melhor. Mas o sargento Andy aparece com notícias de uma ameaça alienígena vinda do futuro. E quando elas finalmente conseguem marcar uma data, o Doutor acha que tudo bem pegar carona no encontro e levar o prédio todo para celebrar a vitória no programa.

É óbvio que quando todos estão juntos é que rola a ação, no melhor estilo Doctor Who, com cada um fazendo a sua parte para ajudar. É também a hora que a Tardis recupera quase por completo as suas forças, deixando o gancho para o próximo volume – que vai ter uma viagem ao passado para visitar o Brigadeiro e uma nova companion oficialmente entrando no team Tardis.

Stranded é a história em que o ouvinte finalmente entende o desespero do Doutor em estar preso em um único lugar. A história foi escrita e gravada em 2019, quando ainda não tínhamos uma pandemia, mas de um jeito meio louco ela é atualíssima. O Doutor dando voltas no parque, conversando com os bichos no zoológico, somos nós nesse confinamento forçado, em que só nos resta olhar as janelas dos vizinhos.

E se você está lendo isso no dia da publicação – 10 de março de 2021 – saiba que Stranded v.2 foi lançado hoje. Mas, diferentemente de nós, o Doutor vai conseguir sair do confinamento para visitar antigos companheiros.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s